D-¦Gritos_(_Confraternizacao_na_casa_de_Sr._Custodio_Sa)
D.GRITOS 45
D.GRITOS FESTIVAL
DGritos Priemeiro Festival da Musica em Salgueiro em 1988 Ricardo e Noroba
d-gritos rui
D.GRITOS SHOW
LILA RICARDO CAMILO
D.Gritos Girleno Sa - Festa de Setembro
dgritos 29
D.GRITOS 49
D.GRITOS 50_edited
D.GRITOS 47
D.GRITOS 48
D.GRITOS 46
D.GRITOS 44
D.GRITOS 42
D.GRITOS 43
D.GRITOS 41
D.GRITOS 39
D.GRITOS 40
D.GRITOS 38
D.GRITOS 37
D.GRITOS 35
D.GRITOS 36
D.GRITOS 34
D.GRITOS 10
D.GRITOS 32
D.GRITOS 31
D.GRITOS 30_edited
D.GRITOS 8
D.GRITOS 9
D.GRITOS 7
D.GRITOS 6
D.GRITOS 5
D.GRITOS 3
CAMILO E RICARDO - NO KILARIO - 1986
CAMILO CARECA NA SERRA
D.GRITOS 28
D.GRITOS 26
D.GRITOS 31
D.GRITOS 25
D.GRITOS 30_edited
D.GRITOS 24
D.GRITOS 27_edited
D.GRITOS 21
D.GRITOS 22
D.GRITOS 18
D.GRITOS 23
D.GRITOS 19
D.GRITOS 17
D.GRITOS 20
D.GRITOS 10
D.GRITOS - Foto do encarte
D.GRITOS 16
D.GRITOS 11
D.GRITOS 12
D.GRITOS 14
D.GRITOS 13
D.GRITOS 9
D.GRITOS 7
D.GRITOS 6
D.GRITOS 4
D.GRITOS 2
D.GRITOS 3
D.GRITOS 1
D.Gritos

Há 27 anos surgiu em Serra Talhada um grupo que revolucionou o cenário musical do interior de Pernambuco e do Nordeste, era a banda D.Gritos, formada por jovens serratalhadenses, eles quebraram tabus e  preconceitos culturais e sociais que predominavam na época. Com letras fortes e autênticas eles conquistaram a juventude da sua geração. Foram três discos gravados, sendo que apenas um foi lançado, Barriga de Rei, os outros foram Traumas e Navegantes. Mesmo sem apoio financeiro, a banda D.Gritos conseguiu vencer o Festival de Música Popular em Salgueiro, realizar shows em varias cidades de Pernambuco, Paraíba, Ceará e outros estados do Nordeste. O sucesso obtido com músicas como “Escravos de Ninguém (Porra)”, “Loucos (Mayra)” e “Barriga de Rei” proporcionou ao grupo apresentações em emissoras de TV em Recife-PE e em Campina Grande-PB, além de matérias em jornais de grande circulação como o Diário de Pernambuco. Os D.Gritos conseguiram ao longo do tempo escrever uma história muito peculiar, algo intenso e marcante, tanto no contexto musical regional, onde há uma preferência pelo forró, como pelas atitudes e as letras extremamente politizadas de Camilo Melo e Ricardo Rocha. Eles cantavam em alto bom tom: “Deixe o trem passar. Não arranquem os trilhos”(Grilos), era uma forma de expressar a vontade de conseguir o almejado reconhecimento e o sucesso a nível nacional. A banda liderada por Camilo Melo, Ricardo Rocha, Jorge Stanley e que contou com a participação de outros integrantes como Cleóbulo Ignácio (Binga), Jairo Ferreira, Doda, Toinho Harmonia, Paulo Rastafári, Nilsinho, Gisleno Sá, César Rasec, Derivan Calado e Elton Mourato, construiu em pouco mais de oito anos um legado musical inigualável, uma história para ser registrada e nunca mais esquecida! Um dos grandes destaques da banda foi à parceira musical de Camilo e Ricardo, juntos compuseram várias músicas de sucesso, sendo que a última, “Homem Pó”, foi um prenúncio da fatalidade que marcou a história do grupo. A música é inédita mais pode ser encontrada na internet.

Trajetória interrompida

A trajetória de sucesso da banda foi interrompida de forma trágica em 29 de agosto de 1993, quando realizavam o show de abertura da Festa de Setembro e de forma inesperada veio a falecer Ricardo Rocha com apenas vinte e três anos. A melhor narração dos fatos ocorridos naquela noite foi feita por Giovanni Sá, de forma poética e emocionada ele escreveu: “O show transcorria na mais profunda relação de amor com o público. Já se passava um pouco mais da meia-noite, depois de dedicar uma canção carinhosa a um amigo que partira sem retorno, ao som da canção NAVEGANTES, “o menino maluquinho” caía no palco pra não mais se levantar e decretava ali a sua IMORTALIDADE. O companheiro Ricardo Rocha, tombava sob a luz dos holofotes coloridos e os aplausos de um público apaixonado, no meio dos seus companheiros inseparáveis. A BANDA D’GRITOS emudecia atônita, era difícil acreditar. A vida que levava sempre era cheia de desafios, afinal, ser músico em Serra Talhada nunca foi fácil.Aquela madrugada será inesquecivel, por ser perfeita e tão belo, aquele show, alguém assistia ao show do “menino maluquinho”. Tamanha beleza e alegria tinham que ser divididas entre os mortais e as estrelas, que com certeza, acabaram de receber mais uma nessa imensa constelação de estrelas.” (Trechos do TRIBUTO AO COMPANHEIRO “Crônica do Show Anuciado”, Jornal Desafio, setembro de 1993). Com a morte de Ricardo chegou ao fim o D.Gritos, a maior banda de rock pop do interior pernambucano, era o fim de um sonho de jovens sertanejos que encontraram na música uma forma de se expressar, demonstrando as suas revoltas, suas frustações e ilusões. Porém, o repertório musical da banda venceu o tempo, e uma prova disso é que elas continuam sendo executadas diariamente em rádios de todo o interior nordestino. Em 2010 a Prefeitura Municipal e a Fundação Casa da Cultura promoveram um Tributo a Banda D.Gritos, pela primeira vez em mais de dezessete anos alguns ex-integrantes do grupo (Camilo Melo, Jorge Stanley, Gisleno Sá, Cesar Rasec e Nilsinho) voltaram ao palco e a som de “Escravos de Ninguem (Porra)” fizeram uma viagem no tempo. O destino de forma irônica colocou todos juntos no mesmo local onde ocorreu a tragédia com Ricardo Rocha. O reencontro histórico da banda D.Gritos só veio comprovar que “eles mudaram a dimensão daquilo que restou”, “o lirio brilhou” e que o “eco gritado de uma voz” continua navegando pelo tempo, como se fosse uma eterna melodia!

http://www.faroldenoticias.com.br/site/dgritos-17-anos-de-um-sonho-que-terminou-em-tragedia/

Prof. Paulo César

DSC_0380
DSC_0351
Camilo_D.Gritos_10
Camilo_D.Gritos_9
Camilo_D.Gritos_3
Camilo_D.Gritos_6
Camilo_D.Gritos_5
Camilo_D.Gritos_2
Camilo_D.Gritos_1
DSC_0589

inscreva-se no nosso canal do youtube

© 2020 Camilo Melo

Rua Pautilha de Menezes, 50 - Serra Talhada - PE

76424170472

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon